sexta-feira, 6 de setembro de 2013

I CONGRESSO DO SISTEMA BRASILEIRO DE TRANSPLANTES

O Brasil possui um dos maiores programas públicos de transplantes de órgãos, tecidos e células do mundo, que é garantido a todos os brasileiros por intermédio do Sistema Único de Saúde - SUS. Desde 2001, a partir da Lei 10.2011, é a família quem deve autorizar a doação de órgãos, o que torna essencial a relação de confiança estabelecida entre médicos, pacientes e familiares. Essa relação é fortalecida com o trabalho contínuo das equipes na orientação sobre os procedimentos de doação de órgãos e, no caso de morte encefálica confirmada, sensibilização dos familiares para que estes autorizem a retirada dos órgãos e tecidos.

O Sistema Nacional de Transplantes - SNT, criado pelo Decreto n° 2.268, de 30 de junho de 1997, é a instância responsável pelo controle e monitoramento dos transplantes de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins terapêuticos realizados no País, o que envolve ações de gestão política, regulação dos processos de captação e distribuição, promoção da doação, logística, regulamentação, validação de centros e equipes transplantadores, entre outros.

Com isso, o SNT vem aprimorando a cada dia os critérios de alocação dos órgãos e tecidos, bem como os mecanismos de controle das listas de espera, o que reflete em um sistema mais seguro e adequado para atender à demanda crescente por transplantes no País.

Os avanços tecnológicos nessa área vêm estimulando pesquisas que têm representado um aumento nas modalidades de transplantes, o que implica em um aumento na demanda por parte de pessoas que se beneficiam desses procedimentos.

O caminho do transplante depende de uma ação conjunta entre órgãos públicos, setores privados e sociedade civil com vistas ao aperfeiçoamento constante do sistema. É com esse intuito que realizaremos no período de 5 a 7 de dezembro de 2013, em Brasília, o I Congresso do Sistema Brasileiro de Transplantes. Nessa oportunidade, pesquisadores nacionais e internacionais, profissionais de Saúde, gestores, entre outros, estarão debatendo o processo de doação e transplante sob seus distintos aspectos e perspectivas, incluindo questões clínicas relacionadas às especificidades de cada órgão, tecido ou célula, além de temas como bioética, sistemas de informação, logística, entre outros.

O evento será dividido em palestras, mesas redondas, apresentação de trabalhos e pôsteres e reuniões plenárias.